VIVEMOS EM UM PAÍS ADMINISTRADO PELOS TRÊS PODERES OS QUAIS SÃO CONSTITUÍDOS POR FILHOS DA PÁTRIA (PUTA).

05/12/2013 20:02

VIVEMOS EM UM PAÍS ADMINISTRADO PELOS TRÊS PODERES OS QUAIS SÃO CONSTITUÍDOS POR FILHOS DA PUTA.pdf (186,9 kB)

 

 

Justino Amorim da Silva

Bacharel em Ciências Sociais (ULBRA) Universidade Luterana do Brasil. Blog: http://cms.ciencias-sociais-pesquisas.webnode.com / sociologoamorimdasilva@gmail.com

 

VIVEMOS EM UM PAÍS ADMINISTRADO PELOS TRÊS PODERES OS QUAIS SÃO CONSTITUÍDOS POR FILHOS DA PÁTRIA (PUTA).

 

Por que será que nós o povo (“Alienados e Ingênuos”) vamos às urnas, será que é para dá privilégios e colocar estes filhos da Pátria (puta), que os pariu, na cadeira de Governador, Presidente, Juiz, Promotor, e Desembargador? Enquanto os FP ficam lá roubando o nosso dinheiro comendo caviar e tomando uísque, nós nos matamos nas Indústrias, Supermercados, Fazendas de latifundiários, ONGs, Movimentos Sociais e Igrejas trabalhando como escravos e pegando o último centavo de um salário de fome o qual é fruto da escravidão e pagamos impostos para sustentar pilantras nos três poderes deste país. Será que teremos que partir para a ignorância (revolução armada), começar a eliminar corruptos? Neste momento a ÉTICA CRISTÃ da BONDADE BABACA que nos aliena e nos deixa mais vulneráveis a cada dia, que vá a puta que o pariu como diz Gabriel Pensador. Talvez seja a hora de dá uma de Bin Laden. Precisamos sair da ingenuidade da Servidão Cristã e do Trabalho Voluntário. Precisamos sentar na mesma mesa, comer do mesmo pão e beber do mesmo vinho, em fim, Vida digna para todos.

Partindo deste primeiro tópico tentaremos explicar tais questões levantadas. Para isso tomamos como ponto de partida o conceito de Democracia.

A palavra democracia tem sua origem na Grécia Antiga (demo=povo e kracia= governo). Este sistema de governo foi desenvolvido em Atenas (uma das principais cidades da Grécia Antiga). Embora tenha sido o berço da democracia, nem todos podiam participar nesta cidade. Mulheres, estrangeiros, escravos e crianças não participavam das decisões políticas da cidade. Portanto, esta forma antiga de democracia era bem limitada.

Atualmente a democracia é exercida, na maioria dos países, de forma mais participativa. É uma forma de governo do povo e para o povo. Será?

Existem várias formas de democracia na atualidade, porém as mais comuns são: direta e indireta. Nosso país segue o sistema de democracia representativa. Existe a obrigatoriedade do voto, diferente do que ocorrem em países como os Estados Unidos, onde o voto é facultativo (vota quem quer). Porém, no Brasil o voto é obrigatório para os cidadãos que estão na faixa etária entre 18 e 65 anos. Com 16 ou 17 anos, o jovem já pode votar, porém nesta faixa etária o voto é facultativo, assim como para os idosos que possuem mais de 65 anos.

No Brasil elegemos nossos representantes e governantes. É o povo quem escolhe os integrantes do poder legislativo (aqueles que fazem as leis e votam nelas – deputados, senadores e vereadores) e do executivo (administram e governam – prefeitos, governadores e presidente da república).

Apelidar ou chamar o nosso povo de bobo ou alienado pode ser um agravante a um povo tão sofrido e trabalhador mais, infelizmente ainda estamos caminhando numa certa ingenuidade de acreditarmos que em nosso país existe uma democracia consolidada. Talvez nosso problema não seja ingenuidade mais comodismo, por que depois que elegemos os políticos esquecemo-nos de fazer as cobranças do serviço publico de qualidade que eles parlamentares deveriam nos prestar. Com certeza muitos de nós povo tem um dinamismo político e libertador e muitos tanto no passado como no presente derramaram seu sangue na luta por direitos humanos, sociais, culturais, ambientais, políticos e econômicos.

E o voto afinal de contas ele é realmente um direito constitucional garantido ao cidadão ou é uma imposição do Estado ao povo que se não votar receberá sanções punitivas com a cobrança de multas e a proibição de prestar exame em concurso público e outros direitos os quais o cidadão deveria ter acesso e lhes são negados? O voto simplesmente tornou-se monopólio político partidário no nosso regime democrático brasileiro.

Não sabemos de fato se nosso país é democrático ou antidemocrático por tantas violações de direitos os quais são negados e violados pelo próprio Estado o qual deveria dá a garantia destes. Os direitos são violados pelas grandes corporações capitalistas, empresas, supermercados e indústrias em sua mais alta hegemonia do lucro. Segue se a violação de direitos pelos grandes proprietários de terra, latifundiários assassinos de trabalhadores rurais, extrativistas, lideranças indígenas e etc., violações estas que estão sendo constituídas e legalizadas pelo Estado (Três poderes) Legislativo, Executivo e Judiciário. (Neoliberalismo)

 

Trazemos para esta discussão parte do texto do Documento 91 da CNBB, Por Uma Reforma do Estado com Participação Democrática, onde diz o seguinte:

 

 

[1]Não apenas no Brasil, mas em todo o mundo, há um processo de desvalorização e deslegitimação dos governos, mesmo os constituídos na legitimidade democrática, pois o que está em questão é a própria concepção do Estado Nacional. As pesquisas de opinião mostram que é baixa a confiança nos Parlamentos, no Judiciário, nas instâncias do Executivo e até mesmo no processo eleitoral, isso sem falar da aberta desconfiança na honestidade dos políticos e na fidelidade dos partidos a seu programa. Esse descrédito e desinteresse pela política partidária têm como consequência à sensação de que a atividade política não leva a lugar algum e nem adianta votar, já que o resultado final esbarra numa estrutura estatal que não corresponde aos verdadeiros interesses e anseios do povo.

 

Será que a Democracia brasileira não está restringida somente ao voto?

Quem exerce a Democracia de fato neste país e, ou quem tem direitos garantidos no Brasil?

Será que não se constituiu no Brasil elites que se apropriaram da democracia para si próprios?

 

De que Democracia se está falando? Ela existe de fato ou é uma farsa? Será que esta fora feita somente para os detentores do poder econômico, político e social os quais se constituem em pequenos grupos elitizados?

 

Trago para estes questionamentos a CONSTITUIÇÃO 1988: e a DUDH.

Art. I. A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal, constitui-se em Estado democrático de direito e tem como fundamentos:

III - a dignidade da pessoa humana;

IV - os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa;

V - o pluralismo político.

Art. III. Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil:

I - construir uma sociedade livre, justa e solidária;

III - erradicar a pobreza e a marginalização e reduzir as desigualdades sociais e regionais;

IV - promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação.

Quando se impede a livre expressão do pensar do cidadão e aqui nos reportamos ao pensar político no caso dos líderes assassinados no campo, dos grevistas sejam eles professores, Bombeiros, PM, Policiais Civis e outros que quando incomodam o cartel do poder econômico, do agronegócio, do latifúndio, é punido pelo Estado com repressão militar, isto é violação de direitos. Não aceitar a liberdade de expressão e de reivindicação de direitos fere a Constituição Brasileira e a Declaração Universal dos Direitos Humanos, quebra o princípio da liberdade e da dignidade da pessoa humana. 

 

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS (ONU 1948).

Artigo VII. Todos são iguais perante a lei e tem direito, sem qualquer distinção, a igual proteção da lei. Todos têm direito a igual proteção contra qualquer discriminação que viole a presente Declaração e contra qualquer incitamento a tal discriminação.

Acreditamos que a greve ainda é uma das formas que temos de reivindicar nossos direitos enquanto cidadãos pagadores de impostos e cumpridores de nossos deveres. Isso é um dos exercícios democráticos do povo com o povo e para o povo e, é um direito constitucional o qual está sendo violado pelo Estado com repressão militar (monopólio da violência).

Quando Professores, PM. Bombeiros e Policiais civis fazem greve reivindicando direitos por melhores salários e condições de vida digna, a Imprensa logo emite seu julgamento condenatório dizendo que a greve causará problemas sociais ao país. Mais a Mídia não diz que a construção dos elefantes brancos (Estádios) para a copa do mundo de 2014 é um tremendo absurdo e desperdício de dinheiro público. Também não diz esta mídia que país analfabeto é um país condenado a ser uma enorme senzala de países ricos como: os Estados Unidos, Inglaterra e etc. Não se questiona os autos salários dos constituintes dos três poderes, recessos e ausências no trabalho, às regalias e as barganhas.

Quantos Hospitais, escolas, poderiam ser melhorados em suas estruturas físicas as quais em todo o país estão jogadas as baratas, investimentos em tecnologia na saúde e na educação poderiam trazer melhorias significativas nestes setores. Além do absurdo dos casos de corrupção, somos obrigados a ver bilhões de reais que poderiam ser aplicados em educação, saúde, geração de trabalho e renda e transporte, no entanto, são destinados a empresas futebolísticas e a vagabundos que correm atrás de uma bola e outros em seus paletós de luxo olhando a bola rolar. Enquanto isso a sociedade brasileira fica confinada a alienação das tele novelas, big brother, carnaval e futebol e a campanhas políticas ridículas cunhadas de baixarias e construções preconceituosas machistas e hegemônicas de elites partidárias rançosas. Isso nada mais é do que a Sociedade do Pão em Círculo, onde pobres miseráveis e escravos alienados pelo espetáculo onde eles (nós) mesmos são (somos) os palhaços que divertem a corte dos burgueses da Mídia, dos Três poderes, das forças Armadas, das Polícias federais e dos detentores do poder econômico. Políticas públicas e sociais (zero), Estado Neoliberal.

 O crime organizado no Brasil em sua maioria tem sido constituído pela elite política corrupta e econômica do país e pelos colarinhos brancos do poder judiciário e não pela classe pobre como pregam a mídia e parte da sociedade no mais alto índice de estereótipos e rótulos carregados de pejorativismos exacerbados.

Pobres, Policiais Militares, Civis e Bombeiros são marginalizados pela sociedade hipócrita e a mídia televisiva brasileira, deveria estes profissionais da Segurança Pública e da Educação serem reconhecidos pelo Estado Brasileiro como tal, como cidadãos e seres humanos que são, deveria se colocar em prática os ARTIGOS I e III da Constituição brasileira de 1988. Dá a eles um salário digno.

É de uma tamanha desumanidade termos Policiais Civis, Militares, e Bombeiros arriscando suas vidas, recebendo salários de fome e, ainda terem de enfrentar o preconceito social de uma sociedade hipócrita, covarde e insensível, enquanto isso, os que fazem parte do poderio militar das Forças Armadas Exército, Marinha, Aeronáutica, Polícia Federal e Rodoviária Federal os quais são bem remunerados, ficam em seus quartéis prestando continência uns para os outros e coçando o saco ou curtindo nos carrões como é o caso de policiais Federais nas viaturas Hy lux. Diantedisso, Policiais Civis, PM e Bombeiros são tratados pelos meios de comunicação e pela sociedade brasileira na mais alta escala da discriminação, preconceitos e criminalização. 

 

Para Marx e Engels (2002), o Estado nunca representou o bem comum e os interesses gerais de toda a sociedade, mais sim os interesses de uma elite burguesia.

 

As regras são claras em um Estado Laico-Negligente (Neoliberal), o objetivo é o acumulo de riqueza, mais uma riqueza em detrimento de milhares de pessoas e a dizimação de culturas e costumes de um povo. Direitos políticos, sociais, culturais econômicos e a um meio ambiente saudável são para poucos, apenas para as elites detentoras do poder capitalista hegemônico. Neste sentido a Constituição Brasileira de 1988 e a Declaração Universal dos Direitos Humanos estão reduzidas a estas meias dúzias de elites.

E, então, estaremos condenados à individualização exacerbada carregada do imediatismo e do egoísmo ao ponto de nos colocarmos em um antagonismo ideológico e de classes, de grupos, de sociedades e até pessoal que nos leva a guerrear por espaços e idéias diferentes mais as quais não há diálogo e sim rivalidades e, às vezes sangrentas?

 

[2]Segundo Marx e Engels (2002), como afirmam em seu livro “Manifesto Comunista”.

A história de todas as sociedades até hoje existentes é a história das lutas de classes. Homem livre e escravo, patrício e plebeu, senhor feudal e servo, mestre de corporação e companheiro, em resumo, opressores e oprimidos, em constante oposição, têm vivido uma guerra interrupta, ora franca, ora disfarçada; uma guerra que terminou sempre ou por uma transformação revolucionária da sociedade inteira, ou pela destruição das duas classes em conflito (2002, p. 40).

 

Como estamos enquanto cidadãos alimentados por determinadas crenças com construções éticas ideológicas pelas quais não saímos do discurso homilético?

 

Os Fiéis, Lideranças, Pastores, Pastoras, Padres, Bispos, Papa ao que nos parece ainda continuam com os mesmo problemas de sempre, o que é notório e que se arrasta há séculos. Infelizmente alguns muitos estão preocupados com a paixão (fanatismo religioso) louvando o altíssimo o Jesus da fé, e não conseguimos ver e aceitar o Jesus Histórico (Cidadão Consciente), aquele que se doou totalmente pelos empobrecidos exerceu o profetismo, se encarnou em sua realidade de exclusão social, fome, pobreza, problemas ambientais, fundamentalismo e terrorismo religioso.

Há uma prisão e uma preocupação com a estrutura estruturante estruturada, (Igreja) não se exerce o profetismo por medo ou por comodismo de alguns fiéis e lideranças, também devido às diferenças ideológicas conservadoras cristãs.

Somos todos desafiados a exercer a cidadania em uma realidade cada vez mais complexa tanto no campo religioso como no político, econômico, cultural, social e ambiental. A pergunta é como exercer hoje esta missão religiosa profético-social diante de uma realidade tão impactante que atinge aos fiéis e seus Líderes pastorais nas mais diversas problemáticas.

Como Fiéis, Lideranças e Clérigos, somos todos chamados a construir um diálogo mútuo com os diversos setores sociais e mesmo religiosos em se tratando de uma pluralidade neste campo, (Jovens) que querem se inserir. É preciso uma releitura da fé e da cidadania em todos os níveis, espiritual, cultural, religioso-profético, político, social e, sobretudo humano.

 

 

Chamamos a atenção para um pensamento de Lutero no que se refere ao nosso compromisso como discípulos, missionários, religiosos, cristãos e cidadãos na construção do Reino de Deus.

 

[3]

“Da mesma forma como aqueles que agora são chamados clérigos ou sacerdotes, bispos ou papas, não são mais dignos ou distintos do que outros cristãos, se não pelo fato de deverem cuidar da palavra de Deus e dos sacramentos – esta é sua a ocupação e seu ofício –, também a autoridade secular tem a espada e o açoite na mão, para com eles corrigir os maus e proteger os retos. Um sapateiro, um ferreiro, lavrador, cada um tem o ofício e a ocupação próprios de seu trabalho. Mesmo assim todos são ordenados sacerdotes e bispos de igual modo, e cada qual deve ser útil e prestativo aos outros com seu ofício ou ocupação, de forma que múltiplas ocupações estão todas voltadas para uma comunidade, para promover corpo e alma, da mesma forma com que os membros do corpo servem todos uns aos outros”. 5. (Martin Lutero).

 

Infelizmente temos percebido que a ética nas mais variadas crenças tem deixado muito a desejar, estamos fadados de ouvir que devemos assumir o compromisso comunitário e servir a tal comunidade (Trabalho-Doação). Muitos dos fiéis das igrejas estão vivendo numa situação de miséria, fome, sem assistência a saúde, a educação, e a um trabalho digno, em fim, a garantia de sua dignidade, mais a Igreja (as) a qual o fiel faz parte somente faz uso de seus dons e trabalhos e não fazem por onde garantir a dignidade daquela pessoa que tanto ajuda na comunidade. Não poderia tal instituição procurar uma forma de fazer com que aquele cidadão cristão ou não, colaborador daquela comunidade possa ser protagonista de sua história e buscar sua autonomia. O problema é que as Instituições tanto religiosas, como Movimentos Sociais, ONGs e Entidades de Defesa de Direitos Humanos se apropriaram de um discurso o qual se tornou apenas uma arma de combate político ideológico, ou seja, não passamos dos discursos, das homilias, dos artigos acadêmicos e assim por diante. Portanto, estamos ficando alienados, vulneráveis mesmo.

Se quisermos uma pátria livre de verdade, uma sociedade onde haja igualdade de direitos, nós o povo teremos que em primeiro lugar ler e buscar nossa intelectualidade para sairmos da alienação política, capitalista e religiosa, deixar de ir às urnas, deixar de sermos ingênuos e, depois nos unirmos aos Professores, PM, Policiais Civis e Bombeiros que também são povo e partirmos para um debate político ético-social e libertador, caso não der certo teremos que repensar nossa metodologia. “Talvez, deveremos ser mais radicais ir ao extremo, partir para a luta armada contra os Três Poderes que constituem o Estado corrupto que sufocam o povo com impostos caros para manter no poder políticos corruptos e uma elite econômica covarde e opressora a qual seu interesse único é o lucro, a escravidão e alienação do povo”. 

 

 

Acreditamos que uma educação de qualidade desprovida de uma hierarquia do conhecimento centralizador, possa ajudar e conduzir seus cidadãos na construção de uma nova sociedade, onde se desenvolva o pensamento crítico e autocrítico formando pessoas livres, conscientes e conhecedor de seus deveres e direitos.

 

 

[4]Che Guevara[5] defendia a emancipação do ser humano a partir do desenvolvimento de suas capacidades intelectuais, uma vez que, segundo ele, quem não estudar, ou seja, não tiver sua intelectualidade, será facilmente dominado. (estará acorrentado).

 

 

Estaremos sempre acorrentados enquanto não sairmos de nossa ingenuidade, do comodismo e não partirmos para um dinamismo libertador popular. Precisamos entender de uma vez por todas que estruturas de poder nunca irão defender ao povo, pois, elas agem de acordo com seus próprios interesses estruturantes para sua instituição seja ela Estatal, Religiosa, ou, privada.



[1]A CNBB foi fundada em 14 de outubro de 1952, no Rio de Janeiro. A transferência da sede para Brasília aconteceu em 1977.

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) é um organismo permanente que reúne os Bispos católicos do Brasil que, conforme o Código de Direito Canônico, "exercem conjuntamente certas funções pastorais em favor dos fiéis do seu território, a fim de promover o maior bem que a Igreja proporciona aos homens, principalmente em formas e modalidades de apostolado devidamente adaptadas às circunstâncias de tempo e lugar, de acordo com o direito" (Can.) 447.

[2]Sobre Karl Marx e Friedrich Engels: Marx nasceu em Trier, na Renãnia, então província da Prússia, em 05 de maio de 1818. Em 1835 Marx ingressou na Universidade de Bonn, onde participou da luta política estudantil. Na Universidade de Berlim, para a qual se transferiu em 1836, começou a estudar a filosofia de Hegel e juntou-se ao grupo dos jovens hegelianos. Friedrich Engels nasceu em Barmen, cidade renana da Prúcia, em 28 de novembro de 1820. Pertencia a uma família de abastados industriais, de idéias liberais e fé protestante. Protetor e principal colaborador de Karl Marx, Engel desempenhou papel de destaque na elaboração da doutrina comunista. De grande capacidade intelectual, conhecia muitas línguas e especializou-se em temas como as nacionalidades, política internacional, assuntos militares e ciências.

[3]Martinho Lutero, em alemão Martin Luther, (Eisleben, 10 de novembro de 1483 — Eisleben, 18 de fevereiro de 1546) foi um sacerdotecatólicoagostiniano e professor de teologia germânico que foi figura central da Reforma Protestante. Que ficando contra os conceitos da Igreja Católica veementemente contestando a alegação de que a liberdade da punição de Deus sobre o pecado poderia ser comprada, confrontou o vendedor de indulgênciasJohann Tetzel com suas 95 Teses em 1517. Sua recusa em retirar seus escritos a pedido do Papa Leão X em 1520 e do Imperador Carlos V na Dieta de Worms em 1521 resultou em sua excomunhão pelo Papa e a condenação como um fora-da-lei pelo imperador do Sacro Império Romano.

[4]Ernesto Guevara de La Serna nasceu no dia 14 de Junho de 1928, na cidade de Rosário, a 250 km da Capital Buenos Aires. O “Che” mesmo só aparecerá 28 anos depois, quando seu destino se encontrará mesclado ao dos exilados cubanos que fabulavam planos derrubar a ditadura Batista. Em 1945, declarado inapto para o serviço militar, matricula-se na Faculdade de Medicina da Universidade de Buenos Aires. Revolucionário, autor de várias obras literárias morreu em Junho de 1967 em uma Guerrilha na Bolívia.