FILOSOFIA E A NOVA ÁGORA ESPAÇO DEMOCRÁTICO DE DISCUSSÕES PÚBLICAS

03/04/2014 09:08

http://servicosweb.cnpq.br/wspessoa/servletrecuperafoto?tipo=1&id=K4316111A1http://lattes.cnpq.br/3279010299709231

http://cms.ciencias-sociais-pesquisas.webnode.com/?aw=1

  SILVA, J. A

 

FILOSOFIA E A NOVA ÁGORA

ESPAÇO DEMOCRÁTICO

DE DISCUSSÕES PÚBLICAS

 

A Filosofia tem seu nascimento na Praça Pública (Ágora) para os gregos atenienses era um lugar ao ar livre, um espaço de encontro e diálogo de deliberação de questões políticas e filosóficas onde se desenvolvia as discursões e debates sobre a vida da polis (cidade). Foi neste espaço público que se destacaram grandes filósofos como: Aristóteles, Sócrates e Platão, suas obras foram e ainda são de fundamental importância e relevância para a disseminação do conhecimento no mundo e, de maneira especial tem contribuído com a educação no mundo inteiro. Tais Pensadores contribuíram para com a Moral, Ética e a Política.

A Filosofia que significa (Amor pela Sabedoria) nos impulsiona ao pensamento crítico, a busca pelo conhecimento, deve nos levar ao questionamento, a dúvida e a reflexão sobre nossa realidade e a fazer as perguntas direcionadas aos diversos fatores sociais, culturais, políticos, econômicos, ambientais e religiosos que nos rodeiam e nos cerca. A filosofia é a Ciência Mãe das Ciências Sociais (Sociologia) e, de tantas outras, a importância da filosofia é de fundamental importância para se aprimorar o conhecimento das demais ciências no mundo.

Partindo de nossa realidade globalizada e tecnológica onde se faz presente um mundo virtual onde as discursões, debates, disseminação do conhecimento, e troca de informações se dão por meio dos veículos eletrônicos nas Redes de Computadores (tecnologia digital) por meio da internet nas redes sociais, nos e-mails, redes de Rádio, TV e, na mídia em geral, podemos então afirmar que nasce a Ágora Virtual a qual tem uma amplitude muito maior que a difere da anterior, onde as discussões e debates alcançam um público maior em menos tempo, mais distante alcançando pessoas em outros continentes longe daquela realidade a que se encontra. A nova ágora não se esgota somente a um local único, ela se estende além de seu ponto fixo e perpassa fronteiras embora que as pessoas que estão a fazer parte do debate, das discursões e trocas de informações e conhecimentos não estejam no mesmo espaço e local. A ágora se torna superficial, através de uma fala eletrônica, tecnologizada, por meio do áudio e das teclas de um teclado do computador, de um celular ou na TV.

No que toca especificamente as discursões e debates políticos do pensar e deliberar as questões da polis (cidade) a Ágora se divide em três: Poder Legislativo, Executivo e Judiciário. No Poder Legislativo as ações da ágora ficam limitadas aos espaços público das assembléias constituintes, este espaço é onde mais se desenvolve a prática da ágora moderna, no entanto, tal espaço democrático ainda continua com seu modelo excludente assim como fora na Grécia onde Escravos, Negros, Idosos, Mulheres, Servos e Pobres não faziam parte das discursões na Praça pública.

 

No poder Legislativo (Ágora Parlamentar) há participação de mulheres, negros, jovens, idosos e pobres, porém de forma bastante reduzida, principalmente ao que toca aos pobres, indígenas, negros e mulheres, se não for parlamentar praticamente estará fora do debate, a não ser uma seção especial onde haverá uma abertura maior ou se tiver uma influencia social com um parlamentar, porem, para adentrar o espaço público haverá exigências jurídico-dogmáticas e sociais pelas quais se o cidadão não se enquadrar nos padrões da norma social e jurídica não poderá fazer parte do debate político de discursões de interesse social-público para os benefícios da cidade (polis). O Poder Executivo gestor e executor público, dialoga com os constituintes do poder Legislativo e Judiciário, mantém relações com estes dois poderes a nível estadual, municipal e federal, também constrói relações diplomáticas com outros países buscando soluções e recursos para o desenvolvimento do Estado, Município e Pais, mescla suas ações discursivas e debates aos da ágora do Poder Legislativo agente fiscalizador, embora sabendo de suas especificidades, mais que seus objetivos caminham na mesma direção do gerir, administrar e cuidar da polis.

O Poder Judiciário tem suas discursões e debates centrados aos seus membros constituintes de magistrados, são somente eles que formam a ágora-jurídica, porém suas ações são ou deveriam ser pautadas para os benefícios de interesse social-público no que toca ao cumprimento das leis.

Ainda temos outra Ágora qual seja a Sociedade Civil que é composta e subdividida pelas Sub-Ágoras: Movimentos Sociais, ONGs, Entidades Religiosas, Escolas, Universidades e Grandes Corporações capitalistas. As discussões e debates políticos coletivos de transformação social somente irão acontecer e acontecem quando estas Sub-Ágoras se juntam pelo mesmo ato político social, com exceção do setor econômico que diverge do coletivo e das decisões democráticas.

Concluímos então, que a Ágora não mais é única, temos um conjunto delas quais sejam: Agora Virtual das Redes de Computadores, Ágoras Estatais: Poder legislativo, Executivo e Poder Judiciário, Agora da Sociedade Civil.  Houve a evolução dos debates, discussões, difusão do conhecimento filosófico, das experiências que saem do ponto fixo - único e, ganha uma amplitude alcançando novo público, novas gerações de pessoas, novo rumo, novo pensar político perpassando fronteiras e territórios além-mar, as discussões e debates da ágora que agora se multiplica e se expande pelas redes de computadores, na TV e nos celulares modernos, ganha espaço amplo no mundo, deixa de ser uma praça pública unificada e fixa, passa a ser praças públicas reais e virtuais, eletrônicas, estatais, midiáticas e sociais.

O novo espaço democrático de diálogo e deliberação de questões atinentes ao bem estar da Polis, da Cidade, do Estado da Comunidade, da Instituição, do país passa a ser diversificado e ampliado pelos mais diversos seguimentos da sociedade, porém nem sempre os debates e discursos são pautados pelos princípios éticos da democracia, principalmente no que toca a política que tem fundamentado suas ações em interesses partidários, próprios e antagônicos que muitas das vezes geram os conflitos sociais, econômicos, religiosos e culturais.

Os espaços democráticos nas mais variadas ágoras ainda continuam sendo excludentes como foi na Grécia, às exclusões sociais a que se tem na sociedade mundial ainda é uma constante o que limita a função da praça pública na consolidação da democracia seja no campo político, econômico, social, cultural, ambiental, tecnológico ou religioso. A agora virtual ao mesmo tempo em que ampliou o espaço democrático também abriu um leque de violações de direitos em todos os campos, as mais variadas formas de expressão cunhada de ideologias e discursos pautados pela banalização da vida fomentando preconceito, discriminação, alienação, estigmas, estereótipos, racismo, homofobia, crimes sexuais e tantos outros descaracterizam e desvirtuam o verdadeiro sentido e objetivo da agora. E para alem disso, ao que toca a globalização tecnológica ainda não há a universalização do conhecimento e o acesso de informações, pois, nem todos têm as condições financeiras suficientes de adquirir um computador ou um celular e conectado à internet. Diante disso é percebível a exclusão social do acesso ao conhecimento, informações o que limita muitas pessoas de poder participar dos debates e discussões os impedindo de se inserirem no processo democrático de direitos, de fazerem parte da construção da polis.   

Fonte Bibliográfica:

 

370.1

T656f Tomelin, Janes Fidélis

Filosofia geral e da educação / Janes Fidélis Tomelin; Norberto

Siegel. 2. Ed. Indaial: Unialsselvi, 2013.

                 180 p. : il 

 

ISBN 978-85-7830-674-8

I.              Educação – Filosofia 

I.              Centro Universitário Leonardo da Vinci.

 

FILOSOFIA E A NOVA ÁGORA, ESPAÇO DEMOCRÁTICO.pdf (67360)