A CONSTRUÇÃO DA VIOLÊNCIA

20/03/2014 09:10

A CONSTRUÇÃO DA VIOLÊNCIA.pdf (120752)

 

A CONSTRUÇÃO DA VIOLÊNCIA

http://lattes.cnpq.br/3279010299709231

http://cms.ciencias-sociais-pesquisas.webnode.com/

 

 

O que é a violência senão a violação de todos os direitos humanos fundamentais ao cidadão... Quando não se tem alimento na mesa e se passa fome, quando não se tem direito a saúde ou nos é negado o direito a um leito hospitalar e atendimento médico de qualidade, quando nos é negado geração de trabalho e renda, quando nos negam o direito de folga e lazer nos obrigando a trabalhar todos os dias da semana sem descanso em que os direitos trabalhistas não são respeitados, quando nos é negado o direito ao transporte, a um teto para habitar com salubridade sofremos violência estrutural e sistematizada onde o Estado é o responsável por não elaborar, planejar e executar políticas públicas que garanta os Direitos fundamentais do ser humano.

As mais variadas formas de preconceito são expressões de violência, o racismo, machismo, homofobia, patriarcalismo, opressão, repressão, intolerância Religiosa, rotulismo, estigmas, estereótipos, escravidão, prisão são todas manifestações de violência. A violência não se resume a questão corporal apenas, ela pode ser psicológica, verbal, coativa, de exclusão social, discriminação, marginalização social, sanções e outras.

 

Trazemos para a questão no que toca a violência uma citação de Rocha (1996)[1]

 

A Violência, sobre todas as formas de suas inúmeras manifestações, pode ser considerada como uma vis vale dizer, como uma força que transgride os limites dos seres humanos, tanto na sua realidade física e psíquica quanto no campo de suas realizações sociais, éticas, estéticas, políticas e religiosas, em outras palavras, a violência, sob todas as suas formas, desrespeita os direitos fundamentais do ser humano, sem os quais o homem deixa de ser considerado como sujeito de direitos e de deveres, e passa a ser olhado como um puro e simples objeto.



[1]Rocha Z. Paixão, Violência e Solidão: O Drama de Abelardo e Heloisa no Contexto Cultural do Século XII. Recife, 1996. P.10